Caminho de Santiago Trail Aventura 2009

Caminhos de Santiago Trail Aventura (160km)

(Crónica por Susana Simões)

Os famosos Caminhos de Santiago acolhem todos os anos milhares de pessoas que, movidas pela fé ou simplesmente pelo desafio, os percorrem a pé, de bicicleta e até a cavalo. Mas a correr é uma opção mais invulgar. Os elementos da Confraria Trotamontes lançaram o desafio, pelo 2º ano consecutivo, e cerca de 60 aventureiros aceitaram: correr 160 km em 5 etapas, seguindo unicamente as setas ou vieiras que indicam o caminho e em autosuficiência!

1º etapa              35km                     Vila Praia de Âncora – Valença

2º etapa              38km                    Valença – Redondela

3º etapa              18km                    Redondela – Pontevedra

4º etapa              20km                    Pontevedra – Caldas de Reys

5º etapa              42km                    Caldas de Reys – Santiago de Compostela

No seio seio dos “peregrinos corredores”  tinhamos poucas caras conhecidas: Marco Silva e Fernando Rocha (ambos do Porto Runners) e a nossa amiga Bety que nos iria acompanhar de BTT

1º etapa (1 Maio 07:00h) – Vila Praia de Âncora até Valença (35km)

O início desta prova traduziu bem todo o espírito vivenciado ao longo dos 3 dias. Debaixo de um céu fantástico, com os raios de sol a evidenciar os castelos de dunas sobre o mar, o grupo juntou-se com imensa alegria e entusiasmo para ouvir a partida. Nunca tínhamos começado uma prova com tanta descontracção!

Encarei a meta “Santiago” com muito respeito e, como tal, iniciei a prova com muita cautela. Optei por ignorar completamente o ritmo assumido pelos restantes atletas. Segui o ritmo que me era confortável e apreciei verdadeiramente os caminhos percorridos. O Telmo decidiu acompanhar-me durante esta 1ª etapa porque também estava bastante receoso. Afinal era a nossa primeira ultra maratona…

A primeira etapa levou-nos a percorrer a belíssima paisagem desde Vila Praia de Âncora, passando por casas de sonho, nos arredores de Caminha, encaixadas harmoniosamente em pequenos recantos da Natureza. Chegados a Valença, fomos presenteados com um saboroso almoço, aliás, como foram todas as refeições fornecidas pela organização. Já em descanso após o almoço, em salutar convívio, em pleno centro histórico de Valença, começou a delinear-se uma dúvida: como seria correr outra vez mais de 35 kms com apenas 3 horas de intervalo? Sobretudo sabendo que nos esperava uma das mais duras etapas…

2ª etapa (1 de Maio 15:00)- Valença até Redondela (38 km)

Os receios confirmaram-se… O calor que se fez sentir, as longas rectas na zona industrial de Porrinõ, os 38km em vez dos 35km previstos, a subida antes de avistar Redondela, foram factores que elegeram esta como a mais dura etapa! Até a chegada dentro da cidade foi bastante confusa. Mas conseguimos sobreviver a um dia passado a correr!

Descobri nesta etapa que perante a adversidade a minha capacidade de resistência responde à altura: Fui a primeira mulher a chegar e 4ª pessoa a completar a etapa. O Telmo também demonstrou que a preparação física do triatlo é bem empregue numa aventura deste género! Foi o 2º a terminar a etapa.

3ª etapa (2 de Maio 07:00)- Redondela até Pontevedra (18 km)

O início de cada etapa fazia-se sempre em conjunto até sairmos das povoações. Ainda bem que assim foi pois, com as pernas trôpegas e fatigadas, o ritmo do mais lento permitia aquecer “os motores” antes de seguir as vieiras ou setas amarelas, por conta da energia de cada um. Esta etapa foi relativamente fácil e com um percurso bastante bonito por entre pinhais com trajectos mais técnicos em substituição da estrada.

Quase sem esperar já estávamos no albergue em Pontevedra, prontos para mais um almoço delicioso. Seguiu-se uma soneca na relva à espera da hora para voltar ao caminho.

4ª etapa (2 de Maio 16:00)- Pontevedra  até Caldas de Reys  (20 km)

Depois de passar o centro de Pontevedra iniciou-se a penúltima etapa, mais uma vez brindados com muito sol! Passámos coloridos campos e caminhos pitorescos por entre aldeias acolhedoras. No percurso fomos encontrando imensos grupos de BTT e várias pessoas a pé. Ninguém ficava indiferente à nossa passagem, sendo frequentes as palavras de ânimo e espanto quando percebiam que iríamos chegar a Santiago a correr! Entretidos com a paisagem e animação pelo caminho rapidamente chegámos a Caldas de Reys. A meta desta etapa estava montada numa agradável praceta com esplanadas convidativas. Ficámos por lá a saborear uma Super-Bock e a festejar mais uma chegada em 1º lugar no sector feminino e a estreia do Telmo no lugar mais cobiçado! Foi uma dupla vitória que ficou em família!

Seguiu-se a habitual montagem dos nossos aposentos dentro do “hotel- pavilhão desportivo” (o cansaço faz do colchão e saco-cama leito de reis!), o banho revigorante e jantar apetitoso (quase nem deu para emagrecer com a corrida, tal foi o abuso às refeições).

Nesta etapa o Telmo teve a companhia de um ser vivo muito especial – um cão que nunca mais o largou até Santiago de Compostela.

4 etapas concluídas: agora já começava a acreditar que seria possível chegar a Santiago. Dormi a pensar: “só falta uma etapa!”.

5ª etapa (3 de Maio 07:00)- Caldas de Reys até Santiago (42 km), a última!

“Hoje era só uma maratona até Santiago!”- pensei eu. Comecei ainda mais devagar do que o habitual pois não queria ficar pelo caminho, agora que estava tão perto de conseguir realizar o desafio. A maior parte do percurso saiu da estrada, o que me agradou bastante. É muito melhor correr na Natureza, onde os kms fluem, sem que o cansaço psicológico se reflicta nas pernas. Especialmente nesta etapa fiz uma boa parte do trajecto sozinha, sem avistar ninguém, nem à frente nem atrás, sobretudo no final. Com receio de me perder até parava em zonas de dúvida! Mas correu tudo bem. No alto de um monte já se via Santiago no horizonte! Nem acreditava, estava a chegar! A emoção tomou conta dos pensamentos até à chegada.

A sensação de percorrer as ruas estreitas do centro histórico de Santiago, depois de tantas horas a correr, ao longo de 3 dias, é absolutamente indescritível! Entrar na praça da Catedral, por entre centenas de peregrinos de vários grupos e Nações, foi um momento único! Claro que as lágrimas correram abundantes. Avistei o Telmo e abraçamo-nos emocionados, CONSEGUIMOS!!! Mais um desafio vivido a dois!

Antes do almoço final ainda fomos à Catedral agradecer tudo o que tínhamos vivido.

A última refeição em conjunto foi mais um momento de convívio e partilha de experiências. Recebi uma belíssima lembrança do 1º lugar geral feminino, algo que excedeu por completo as minhas expectativas. Todos os participantes foram chamados a receber um diploma e uma bengala de peregrino. O Telmo terminou num honroso 5º lugar.

Adorámos participar nesta prova! Apreciámos vivamente o ambiente gerado entre todos os participantes, sem a habitual acérrima competição das corridas de estrada, e ficámos surpreendidos com o profissionalismo de todos os elementos da organização (Confraria Trotamontes) que foram incansáveis!

E com tanta emoção ia-me esquecendo de falar do cão… pois o espantoso animal percorreu os últimos 60km sempre com o Telmo… dêmos-lhe o nome de Santiago e a Bety ficou com ele.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *